top of page
  • Fábio de Brito

A importância das estatísticas nos esportes

Atualizado: 10 de jan. de 2023

Alguma luta, partida, corrida já tirou seu sono por você não concordar ou apenas questionar o resultado final?


Pois bem. Imagine tal situação sem a evolução das estatísticas no meio esportivo. Para os dias de hoje, viver na ausência de elementos que valorizem tanto o esporte quanto os consumidores é altamente inviável.


As estatísticas têm servido como grande alicerce para analistas que constroem seus trabalhos a partir de base de dados de determinada modalidade. O que se conquista, por fim, é uma alta gama de elementos de pesquisa para facilitar determinada pesquisa e conquistar êxito em dado projeto, pessoal ou profissional.


A importância das estatísticas nos esportes


‘Terror’ para muitos, os números têm suma importância no desenvolvimento do mundo que conhecemos hoje. As estatísticas, então, surgem como afluente sendo ferramenta importante de compreensão, aprimoramento e conclusão de vertentes que, antes, poderiam parecer sem solução.


Assim como no futebol ou basquete, modalidades consagradas ao redor do mundo, as estatísticas também têm comprovado seu potencial dentro das artes marciais mistas, o MMA. Imaginem poder contabilizar com precisão o número de golpes aplicados, recebidos, quedas, domínio de cage.

Para melhorar ainda mais, pense em reunir todos os valores registrados ao longo de uma ou muitas temporadas para que, assim, se possa ter um quadro de características fiel de determinado atleta. Assim, as estatísticas têm se consolidado cada vez mais como ferramenta indispensável para a condução de diversos esportes.


Entre funcionalidades, estão conveniências como minimizar equívocos que possam acontecer sem o uso da dada tecnologia e suprir questionamentos antes passíveis. O plano busca a fidelidade máxima à justiça em um confronto entre partes.


Ajudando a entender ‘decisões polêmicas’ em lutas do UFC


O MMA, bem como outros esportes, não é uma ciência exata. Apesar de estar envolvido em análises, as interpretações de decisões também ficam por conta dos scorecards da comissão de juízes em lutas que não terminam em nocautes ou finalizações. E, no ano, três combates estiveram em grande equilíbrio.


Taila Santos teve a chance e por pouco não ‘chocou o mundo’ contra Valentina Shevchenko no UFC 275, pelo cinturão das moscas (até 56,7kg.). Derrotada na decisão dividida, a brasileira foi superior apenas no quarto round em golpes significativos desferidos (23 x 16), mas mostrou equilíbrio ao ter larga vantagem no controle de chão entre rounds, com cinco minutos e oito segundos somados. Ela também teve vantagem diante da quirguiz em tentativas de finalização no solo (2 x 1) e deixou margem para possível triunfo, segundo dados da 'Fight Analytics'.




Oficialmente, no entanto, apenas um dos três juízes viu a vitória de Taila. David Lethaby julgou a vantagem da brasileira nos três rounds iniciais e marcou 48-47 na soma total. Já os outros profissionais, Howards Hughes e Clemens Werner, viram 48-47 e 49-46, respectivamente, para Valentina.


Estatísticas dizem muito, mas não tudo





















A visão das estatísticas pode definir um caminho, mas não é o que se predomina no resultado final. Isto porque, apesar da amostragem, as somas e análises são feitas por seres humanos, que também têm pesos distintos nas avaliações. O grande exemplo é Gilbert Durinho x Khamzat Chimaev no UFC 273.


Sem controle de uma das partes no solo, a luta de três rounds foi definida em pé. O brasileiro, inclusive, esteve com números superiores em golpes significativos (64 a 60) na soma total, mas esteve em desvantagem no mesmo número entre os assaltos (9-22, 38-15, 17-23). Ele ainda tentou mais quedas, mas apenas o russo conseguiu aplicá-las em duas oportunidades.




Além de Durinho x Chimaev, outra luta pode entrar como um exemplo: Sean O’Malley x Petr Yan pelo UFC 280. A mídia especializada apontou vitória do russo, mas os dados da Fight Analytics podem justificar o resultado em favor ao norte-americano, que foi superior nos golpes desferidos em primeiro e terceiro assalto com números semelhantes (32-54 e 33-54, respectivamente). Ele foi anunciado como vencedor na decisão dividida dos juízes e se aproximou de chance pelo título dos pesos galos (até 61,2kg.).






Comentarios


bottom of page